praia formosa

Oito meses, esse foi o período apontado na manhã de ontem pelo prefeito de Aracaju, João Alves Filho, para a conclusão paisagística da barragem de contenção das águas do Rio Sergipe localizada no bairro 13 de Julho. Durante visita ao espaço, o chefe do executivo municipal assinou a ordem de serviço que pretende transformar o ambiente aterrado em mais um ponto turístico e área de lazer, onde contara com espaço para leitura, prática de exercícios, sistema Wi-Fi gratuito e extensa área verde construída dentro de um moderno projeto arquitetônico. Depois de receber críticas de ONGs protetoras do meio ambiente por aterrar uma área superior a 20 mil metros, o governo João promete inaugurar em 240 dias, sem atraso, a primeira grande obra desta gestão. O início desse serviço foi realizado em janeiro de 2013 e só deve ser concluída em setembro deste ano.

Orçada em R$ 5 milhões de reais, o espaço contará ainda com parede para escala, iluminação especial em LED, além de postos de segurança da Guarda Municipal e um restaurante que deve ser construído em outra etapa por fazer parte de uma parceria entre o setor público e particular. Durante a solenidade, João Alves minimizou as críticas que recebeu, enalteceu a importância da obra para a segurança de centenas de moradores e informou que ao longo dos últimos dois anos problemas foram enfrentados pela gestão, mas que todos já teriam sido solucionados. Diante da autoconfiança apontada pelo gestor e os secretários que o acompanhavam, o prefeito não descartou a possibilidade de acelerar a obra com o propósito de encerrá-la antes do prazo apresentado. A obra teve início na tarde de ontem.

“Será mais um grande cartão postal que estaremos dando para todos os aracajuanos, sergipanos e turistas que escolherem nossa cidade para conhecer. Tem sido um trabalho difícil, na qual problemas tentaram interferir na construção dessa obra tão importante para todos. Se nós não tivéssemos iniciado a reforma da balaustrada, certamente esta área estaria mais frágil e perigosa”, disse. Acompanhado dos secretários de obras, meio ambiente, e do vice-prefeito José Carlos Machado, João Alves ainda destacou o trabalho em conjunto para que os transtornos enfrentados pela população sejam reduzidos neste período. Confiante no sucesso do serviço público, o gestor garante que o resultado final será aprovado em todos os aspectos pela população. Arquitetos e engenheiros responsáveis pela obra também participaram da solenidade.

“A obra será realizada quase que por completa na área nova que fizemos em 2013 e 2014. Mesmo assim, já informamos a Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) que precisaremos de agentes orientando os motoristas devido ao movimento de caminhões e tratores. Vamos acelerar a obra para entregar antes mesmo deste 240 dias”, pontuou João. Há pouco mais de seis meses, a prefeitura informava que o serviço de paisagismo seria iniciado 15 dias após a seleção da Grécia ter sido eliminada da Copa do Mundo FIFA de Futebol realizada no Brasil. Para Machado, após o fim da competição, moradores e empresários da região começaram a questionar quanto a demora para o reinício do serviço público que já contabilizava cinco meses de atraso, se comparado a estimativa inicial, apresentada na segunda quinzena de janeiro de 2013.

Os meios de comunicação, em especial, se tornaram os principais instrumentos públicos utilizados nessa cobrança. “Como bem citou João, alguns impasses foram registrados pela administração nesse período o que acabou atrasando um pouco, mas finalizado esse processo, estamos hoje aqui para declarar o início da etapa complementar de uma área pública que transformará para melhor a nossa capital. O que há de melhor será implantado aqui”, afirmou. Já pelo secretário de Meio Ambiente, Eduardo Matos, a garantia ficou por conta do respeito a todos os itens de preservação ambiental exigida pelos órgãos responsáveis e pelo Ministério do Meio Ambiente.

Sendo este, talvez, o principal ‘Calcanhar de Aquiles’ enfrentado pela prefeitura no andamento da obra de contenção do rio, o secretário destacou que especialistas de vários seguimentos ambientais foram procurados para participar da construção sem agredir a vegetação e o mangue. Segundo Matos, depois de sucessivas reuniões operacionais no local e com acompanhamento da planta do projeto, pode-se dizer que a área de lazer não vai gerar efluentes e nem danos. “Estamos diante de um rio que ainda enfrenta grave situação de poluição e vamos atuar com um programa de educação ambiental aqui na região. Tivemos o cuidado de seguir com o projeto de forma progressiva sem prejudicar o meio ambiente”, declarou. Diariamente, quatro agentes da SMTT irão atuar na Avenida Beira Mar, entre o Iate Club e o calçadão da 13 de Julho.

Fonte: Por Milton Júnior (Aracajufest)


Responsive image

Responsive image

Responsive image

Responsive image
Responsive image