karina bach

A trajetória de Karina Bacchi é de tirar o fôlego: ela já foi modelo, fez novela, fez teatro, escreveu dois livros, fez cinema, posou nua, venceu dois reality shows (a primeira edição da ?Dança dos Famosos?, do Faustão, e a segunda edição do reality show ?A Fazenda?), apresentou diversos programas em diversas emissoras, fez e continua fazendo uma porção de trabalhos beneficentes… Cansou? Ela não. Karina ainda arrumou tempo para redefinir o corpo. Quem faz ou já fez academia sabe: não é fácil manter a disciplina e a rotina de atividades.

Com um olhar cativante, uma beleza radiante e uma leveza que faz com que ela nem pareça uma celebridade, Karina parou a academia Crossfit79, em São Paulo, onde fez um ensaio exclusivo para o iG Gente em uma tarde no fim de novembro. A presença dela mexeu com os frequentadores do local: deixou mulheres morrendo de inveja e homens parecendo adolescentes, que corriam para terminar as séries de exercícios para conferir de perto o corpão dela.
?Eu sou muito otimista e procuro estar feliz sempre, por isso que eu arrumo tanta coisa pra fazer?, dá a dica. ?Mesmo se eu não fosse famosa tenho certeza de que eu arranjaria emprego com muita facilidade. Adoro fazer de tudo!?. Isso inclui, atualmente, uma função que surgiu por acaso, o de musa fitness. Sem esconder que o fato dos 40 anos estarem chegando – sim, por mais incrível que possa parecer, ela está com 38 anos – , há oito meses Karina se dedica a um treino intensivo de musculação e boa alimentação. ?Acho que um pouco foi o peso da idade mesmo, é fácil se manter magra, mas se manter firme é muito mais difícil. Resolvi acordar para passar os 40 muito melhor do que antes, pensando em longevidade, pensando em saúde.?

Musa fitness aos 40

Bastaram as primeiras fotos do novo corpo no Instagram e pronto: uma legião de fãs começou a seguir fielmente seus treinos e dietas, que contam com a consultoria da personal trainner Valéria Aprobato e do nutrólogo Thiago Volpi. ?Não posto foto só por questão de vaidade. Posto justamente porque sei que acaba incentivando outras pessoas e isso é importante. É demais poder ser um exemplo de uma coisa boa como cuidar da saúde”.
E a nova fase inspirou o lançamento de um blog (clique aqui para conferir), constantemente atualizado com textos, fotos e vídeos sobre os principais assuntos que toda mulher quer saber como saúde, make up e moda. E, apesar de estar a pouco mais de um mês e meio no ar, o projeto levou Karina a querer mais. ?Minha grande vontade é passar esse conteúdo em TV aberta ou mesmo paga, em um programa para as mulheres. É o meu principal projeto para o ano que vem”.

“Não”

Seu último trabalho como atriz foi na sitcom da Record “Louca Família” (2010). A dedicação ao trabalho como apresentadora colocou para escanteio, de uma vez por todas, a carreira como atriz. O trabalho mais recente foi neste ano em “Menino de Ouro”, do SBT, em que atuou como repórter. ?Parei por conta própria, por opção mesmo. Depois que eu passei a fazer alguns trabalhos apresentando, isso me motivou. Me senti mais à vontade nessa posição do que atuando. Ainda tenho convites, recebi recentemente um dá Denise Saraceni, mas não me empolga mais”.
O que, entretanto, ela faz desde criança, e não perde a empolgação, são os trabalhos beneficentes. A ONG Florescer, que completa 24 anos em janeiro de 2015, foi criada por sua mãe, Nádia Bacchi, e atende mais de mil crianças e adolescentes, além de gerar empregos para quem vive em Paraisópolis. ?É uma missão de vida da minha família. Ela deu esse exemplo pra mim. Além da ONG, faço outros trabalhos filantrópicos. Faço visita no hospital para crianças com câncer com a Trupe do Bem. A gente se veste de palhaço para animá-las. Fui criada com essa consciência desde muito pequena. Tinha o meu grupo, que era a diretoria juvenil da ONG Florescer, onde a gente já arrecadava coisas na minha cidade, São Manuel, onde nasci, e ainda fazia visita nos asilos para divertir os velhinhos. É algo natural e imprescindível na minha vida?.

Karina gostaria que vivêssemos até os mil anos. ?Eu queria viver muito. Adoraria que a nossa vida tivesse mil anos. É lógico que 40 não é velhice, mas é quase metade do caminho. Isso me assusta porque eu gosto tanto de viver que eu queria viver 200 anos pelo menos”.

Fonte: IG Gente


Responsive image

Responsive image

Responsive image

Responsive image
Responsive image