Ciclo Nutri Assessoria e Consultoria

O verão pede bebidas refrescantes, não é mesmo?

frape abacaxi coco

Frapê de abacaxi com coco. Um dos ingredientes é a nossa queridinha água de coco, somos fãs . Um dos principais nutrientes da água de coco é o potássio, essencial para o equilíbrio hídrico, que promove o funcionamento de músculos e do metabolismo.

Agora, vamos separar os ingredientes e nos deliciar com essa bebida refrescante e saudável.

Um brinde à saúde!!

Ingredientes

2 rodelas de abacaxi
½ xícara (chá) de bebida de amêndoas
3 cubos de gelo de água de coco natural (aqui usamos a água de coco da do bem, 100% natural)
3 colheres (sopa) de coco ralado natural fresco

Modo de preparo

Coloque no liquidificador as rodelas de abacaxi, a bebida de amêndoas, os gelos de água de coco e o coco ralado natural. Bata durante 2 minutos até atingir a consistência espumosa. Coloque um pouquinho de coco ralado por cima para dar um toque final e sirva.

Rendimento: 1 copo grande
Tempo de Preparo: 6 minutos ? 311 kcal

frape-de-coco-com-abacaxi-e-pera

Por Mauro Fisberg

Nos últimos anos temos visto um aumento importante das deficiências de micronutrientes e vitaminas na população geral, especialmente pela diminuição da ingestão de frutas, verduras e legumes. Além disso, modismos, como a redução de uso do leite e derivados, por pretensos diagnósticos de intolerância à lactose ou alergia à proteína do leite de vaca, geram um volume enorme de pessoas com deficiência de cálcio e vitamina D. Esse metal e a vitamina contribuem de forma essencial para várias funções do organismo, como o crescimento dentário e dos ossos, mantendo a função cardíaca e a respiratória, entre outras. No adulto, especialmente na mulher pós-menopausa, a deficiência de cálcio está associada à osteopenia (redução do cálcio intraósseo) e à osteoporose (redução da densidade óssea por deficiência de cálcio, o que ocasiona fraturas importante, capazes de diminuir a qualidade de vida dos mais velhos).

A situação de alguns nutrientes no nosso País é bastante preocupante, especialmente porque vários trabalhos têm mostrado que a ingestão de vitaminas, especialmente as vitaminas A, C, D e E, e de alguns minerais, como ferro, zinco e cálcio, está abaixo das recomendações para o funcionamento adequado do organismo de crianças, adolescentes e adultos.Seguramente, a globalização de costumes, com a importação de hábitos alimentares diferentes dos tradicionais de cada país, leva a modificações importantes do padrão de alimentação. Assim, diminuímos o consumo diário de arroz e feijão, a tradicional combinação do Brasil, das misturas e das frutas e verduras.

O custo dos alimentos, a variação de preços nos mercados locais, a dependência do tempo e da colheita e, especialmente, a falta de exemplos dos pais podem ser responsáveis por esse fenômeno. Mas não é possível dizer que a maior praticidade, o baixo custo dos alimentos prontos, o hábito de comer fora de casa e o maior acesso a alimentos de consumo rápido não sejam elementos que facilitem a ingestão de alimentos nem sempre mais adequados.Em relação ao cálcio, enquanto tomamos leite, seja ele materno, de formulas lácteas ou de vaca, na idade pré-escolar precoce (até 4 anos), não temos problemas com este mineral. No entanto, conforme elas vão ficando maiores, menos de 50% conseguem alcançar a quantidade mínima recomendada (três porções de lácteos por dia). Quando chegam à adolescência, verificamos que a maioria dos jovens não alcança o necessário. E isso é especialmente complicado, porque o período em que temos a maior absorção e aproveitamento do cálcio é justamente na faixa etária entre 15 e 25 anos.Nos adultos, a situação é bastante semelhante, com poucos brasileiros ingerindo o que precisam. A quantidade de cálcio não chega a 600 mg, em média, quando na verdade precisaríamos de um mínimo de 1000 mg por dia, para o bom desenvolvimento dos nossos ossos e do funcionamento de nosso organismo.

Em relação à vitamina D, temos uma situação interessante. Temos duas grandes fontes desta vitamina para o ser humano. Uma parte é proveniente de alimentos, alimentos fortificados, vegetais, legumes e verduras; outra parte é sintetizada em nossa pele, pela ação dos raios solares. O Brasil é um país tropical, em que a maioria da população tem mistura de genes, e teria aproveitamento ótimo dos raios solares para a formação de vitamina D. No entanto, exatamente por estarmos muito expostos à radiação solar intensa, temos menor exposição, especialmente em crianças em idade escolar, e usamos protetores solares, que bloqueiam a formação da vitamina D na pele. Em alguns países, com a suplementação de vitamina D em leite e sucos, o risco de carências dessa vitamina diminui muito. Isso não ocorre no Brasil, em que a única idade em que realmente temos uma boa situação é no primeiro ano de vida, pela prescrição sistemática de vitamina A e D aos bebês pelos pediatras brasileiros. Com isso, houve uma diminuição gigantesca do chamado raquitismo por deficiência de vitamina D, com alterações das pernas e do esqueleto.

Esperamos que tenham gostado, até a próxima semana seus lindos!!

Dúvidas, sugestões, dicas, curiosidades… é só entrar em contato conosco:contato@ciclonutri.com.br.

Ciclo Nutri
www.ciclonutri.com

marca 2


Responsive image

Responsive image

Nada foi encontrado


Responsive image
Responsive image