grande-lixeira01 danificada 10112014.jpg

A falta de consciência cidadã tem gerado prejuízos para os cofres da Prefeitura de Aracaju, e contratempos para a população que passa a usufruir de serviços públicos precários. Com pouco mais de 230 dias de reinauguração, a Praça Tobias Barreto, localizada no bairro São José tem se tornado em alvo de vândalos que destroem o patrimônio municipal, e meliantes que aproveitam a falha fiscalização ostensiva da Guarda Municipal para usar e repassar entorpecentes. Considerada pelos críticos urbanistas como a maior e mais completa praça da capital sergipana, na madrugada de ontem o local teve todas as lixeiras destruídas por criminosos ainda não identificados. Diante da atual conjuntura, sobram críticas e lamentações.

Pelo lado administrativo, a direção da Empresa Municipal de Obras e Urbanização (Emurb) garante que ao longo dos últimos meses vem redobrando o trabalho de organização e manutenção destas praças. Apesar do esforço, o assessor de comunicação, Ademar Queiroz enaltece a necessidade dos próprios moradores registrarem esses atos e oficializar uma denúncia anônima através do disk denúncia. Paralelo ao trabalho desenvolvido pela Emurb, a Empresa Municipal de Serviços Urbanos (EMSURB) também atua diariamente na praça para evitar críticas construtivas por parte dos aracajuanos, mas a tarefa aparenta ser muito mais difícil do que João Alves e seus comandados poderiam imaginar. A reforma geral realizada no ano passado custou cerca de R$ 1,8 milhão para a prefeitura.

De acordo com Ademar, é preciso que os órgãos de fiscalização, a exemplo da Guarda Municipal e Polícia Militar, possam atuar de forma mais ostensiva na região. Para o comunicador, apenas depois de uma ação mais rigorosa o depredador deve se sentir inibido para promover atos de destruição, os quais foram identificados esta semana. ?A Emurb está sempre atenta para manter o local dentro dos padrões de qualidade que foram exigidos e entregues pelo prefeito João, mas infelizmente os casos de vandalismo só aumentam. É preciso que os homens da GMA e PM realizem vistorias mais constantes para evitar que aquele local novamente se transforme em um ponto não desejado e frequentado pelos moradores?, disse.

Procurado pelo Jornal do Dia na manhã de ontem, o Coronel Enilson Aragão, comandante da Guarda Municipal de Aracaju declarou não ter obtido conhecimento a cerca da problemática denunciada pela população. Segundo o oficial, equipes especializadas seriam designadas para estudar a veracidade da denúncia e em seguida, caso os agentes avaliem o fato como verídico, uma cúpula se reúna para adotar medidas paliativas contra esse tipo de ocorrência na praça, e no bairro como um todo. ?Até então não fui comunicado sobre essa destruição das lixeiras, vamos analisar a denúncia e promover rondas mais ostensivas. A meta é acabar com qualquer destruição no local, e não apenas com as lixeiras?, afirmou.

Neste mês de novembro, mais precisamente no próximo dia 19, a Praça Tobias Barreto completa oito meses de reabertura. No novo ambiente foram construídos dois parques infantis, área de leitura e doação de livros, ambiente para contar história, passarela para feira de artesanato, pista de caminhada e aparelhos de ginástica pensados para atender também a terceira idade. Pela Emsurb, foi comunicado que o serviço de limpeza será reforçado até que as lixeiras sejam re-anexadas nos devidos locais. ?Equipes de limpeza da Emsurb estão atentas para possíveis chamados. Caso a praça registre pontos de lixo acumulados fora das lixeiras, a ordem é recolhe-los o mais rápido possível?, declarou a jornalista Shislane Vitória.

Moradores ? Apesar das promessas de limpeza e reparação dos danos, os aracajuanos que residem nas proximidades da praça exigem que a prefeitura e o estado atuem em conjunto para evitar possíveis precariedades. Segundo a aposentada Maria Carvalho Ribeiro, residente do bairro São José há mais de 40 anos, os vândalos necessitam ser detidos. ?Quem mora aqui tem medo de andar na praça depois das 18h porque tem um monte de gente usando drogas e comercializando. Outros, de tão loucos, destroem tudo que vêm pela frente. Dessa vez foram os lixeiros. Quando passar a prender e deixar atrás das grades, quem sabe, esse problema acabe?, disse.

Questionada quanto a importância do local para os moradores, Maria concluiu dizendo: ?Todos nós precisamos dessa praça. Seja pra fazer exercícios, encurtar caminhos ou até bater papo. Há uns 20 dias uns fieis da igreja foram para o rádio dizer que até o padre estaria triste com essas atitudes que destroem a praça. Precisamos de segurança 24h no meio da praça?.

Fonte: Por Milton Júnior (Aracajufest)


Responsive image

Responsive image

Responsive image

Responsive image
Responsive image