Voltamos a mais uma vez a saga de atletas sergipanos que necessitam de apoio financeiro para ir conquistar títulos fora do nosso pequeno estado. Dessa vez iremos falar do jovem Rafael Fontes Menezes. Aos 22 anos o sergipano está classificado para participar do mundial de sambo após ter subido ao pódio da seletiva que aconteceu em São Paulo.

 

Mas antes de tudo irei te contar o que é o sambo, confesso não ter conhecimento dessa modalidade até então, desculpem a ignorância, mas como dizem por aí estamos todos aqui para aprender. Sambo é uma arte milenar russa desenvolvida no século XX que está diretamente ligada ao estilo do wrestling. A modalidade ainda não é muito popular em terras tupiniquim como podem perceber até então, Rafael seria o único praticante da modalidade no estado.

 

Agora que sabemos o que é o sambo vamos ao fato que nos interessa diretamente. Rafael é praticante de jiu-jistu e de judô, conheceu o sambo através de vídeo games, se interessou pela modalidade e ingressou na Confederação brasileira da arte sambo, onde fez o curso no Rio de Janeiro para ser instrutor. Neste ano, Rafael participou de uma seletiva em São Paulo ficando em terceiro lugar conquistando uma vaga no Pan-americano. Como esta competição estava muito acima do tempo, Rafael e seu instrutor optaram por competir no mundial que irá acontecer na Coreia do Sul.

 

Como toda ocasião que visa no crescimento de um atleta, isso requer um custo financeiro, já relatei aqui na coluna como é difícil a vida de um atleta. Para levar o nome do nosso estado para o mundial na Coreia do Sul, Rafael está realizando uma campanha para arrecadar dinheiro que possam custear as passagens, hospedagem e alimentação na Coréia do Sul.

 

Interessados em ajudar um atleta sergipano a conquistar o mundo entrem em contato com o próprio Rafael pelo telefone  79 99113-9417. Entretanto, mais do que ajudar o Rafael com a contribuição buscamos aqui acenar mais um alerta para a tamanha dificuldade que os atletas brasileiros ainda sentem na hora do patrocínio e apoio financeiro. Não é fácil ser um atleta de alto rendimento no nosso país. Hoje trouxe o relato do Rafael sabendo que facilmente amanhã surgirão milhares de outras histórias semelhantes.

 

Talvez a realidade de nossos desportistas fossem outra caso mais pessoas enxergassem o esporte como uma válvula de escape para problema de diversos outros setores. Esporte não é gasto é investimento.