Os voluntários do Projeto SALVE – Corrente de Assistência à Vida promoveram na noite de quinta-feira, 7, o primeiro treinamento do ano com alguns corredores de rua de Sergipe, realizado no Radisson Hotel. Em uma noite de muito aprendizado, eles discutiram e tiraram dúvidas sobre como reconhecer uma parada cardíaca e como realizar as manobras de reanimação cardiopulmonar.

O Projeto que é destinado a pessoas leigas é voluntário e sem fins lucrativos e em quase três anos de existência já capacitou mais de quatro mil pessoas e tem a iniciativa de quatro instituições parceiras: Samu Sergipe, Sociedade Médica de Sergipe (Somese), Corpo de Bombeiros de Sergipe e Cooperativa dos Anestesiologistas de Sergipe – (Coopanest).

O presidente da Somese, Dr. José Aderval Aragão, agradeceu a presença do público que compareceu ao treinamento e adquiriu conhecimento para a vida. “Essas pessoas são multiplicadoras do Projeto SALVE e vão passar informações para os familiares e amigos poderem identificar uma parada cardíaca e saber como proceder corretamente”, enfatizou Dr. Aderval.

Segundo o enfermeiro e coordenador do Núcleo de Educação Permanente do Samu, Ronei Barbosa, uma parada cardíaca acontece a cada dois minutos e é muito frequente em corridas de longa distância. “No levantamento que fizemos foi constatado que muitas vezes os corredores esperam por atitudes do socorro especializado, mas é importante iniciar o atendimento o quanto antes”, comentou Ronei.

De acordo com o representante comercial, Luiz Carlos Pires, o treinamento foi maravilho e o conhecimento adquirido foi de extrema importância para sabermos como salvar vidas. “Aprendemos que uma parada cardíaca pode acontecer a qualquer hora e em qualquer lugar e esse treinamento foi esclarecedor para quem não é da área médica”, apontou Luiz.

A personal Lívia Pires, explica que o tema é extremamente importante e durante uma corrida, às vezes, as pessoas vão no parâmetro do seu limite e possam vir a sofrer uma parada cardíaca ou arritmia. “Isso pode acontecer a qualquer hora, dia e lugar e espero que meu aluno saiba como proceder se um caso ocorrer perto dele”, destacou Lívia.

Fonte: Assessoria de Imprensa 


Responsive image

Responsive image

Responsive image

Nada foi encontrado

Responsive image